Reportagem: “Arca de Noé” é encontrada na Turquia

Um explorador analisa restos de madeira dentro do que alguns acreditam ser restos da Arca de Noé.

Um grupo de exploradores evangélicos chineses e turcos afirmam ter encontrado restos de madeira do que teria sido a Arca de Noé, no leste do Monte Ararat na Turquia.
De acordo com datações do carbono 14 os restos encontrados são de 4800 anos de idade, tempo no qual evangélicos e literalistas afirmam ter sido o momento em que a arca repousou no Monte Ararat.
Yeung Wing-Cheung,  do Grupo de pesquisa internacional da Arca de Noé afirma “Não é 100% de certeza que seja, mas é 99,9% de que é a arca”.
Houve várias descobertas relatadas dos restos da Arca de Noé ao longo dos anos, mais notavelmente um achado pelo arqueólogo Ron Wyatt, em 1987. Na época, o governo turco declarou oficialmente um parque nacional em torno de seu achado,onde um  objeto em forma de barco estendeu através das montanhas do Ararat.
O ministério evangélico continua acreditando que o achado é veridico e para isso chamou o holandês Gerrit Aalten para verificar a legitimidade da Arca. Aalten já acredita ser uma descoberta arqueológica legítima “Pois, é a primeira vez que a descoberta é bem documentada”.
Representantes do Ministério afirmam que a estrutura possui vários compartimentos, conferindo com a história bíblica de onde teriam sido colocado os animais.
Será pedido para a UNESCO oficializar a região como Patrimônio da Humanidade para que as pesquisas arqueológicas sejam feitas adequadamente.

FONTE (tradução e adaptação  livres)

ATUALIZAÇÃO: Estudiosos suspeitam que a “Arca de Noé seja uma farsa”

 Vários especialistas se manifestaram a respeito da descoberta com uma série de argumentações.
Dr. Randal Price diretor de estudos judaicos da Universidade de Liberdade, acredita ser uma farsa pois os curdos têm se aproveitado muito da questão na região. Dr. John Morris, arqueólogo, acredita que os chineses foram enganados.
O Professor Porcher Taylor da Universidade  de Richmond acredita que é um erro, pois para ele os arqueólogos estão escavando no local errado, pois a uma certa distância está o que os EUA consideram a “anomalia do Ararat”, algo que tem intrigado a inteligência norte-americana. Para ele se os restos da Arca estão no Ararat, o local seria o da anomalia.

Mas uma questão intrigante é: o relato bíblico a respeito do dilúvio é uma verdade ou uma farsa?

Dr. Paulo Zimansky, professor de arqueologia e história antiga na Universidade Estadual de Nova York em Stony Brook, diz: “Eu acho que tem todas as características de uma história, mas em qualquer caso, não é algo que possamos investigar como um arqueólogo . “

Uma inundação catastrófica na Terra é falado em muitas culturas antigas: na Suméria, da Babilónia, grega, hindu, Gália, lendas escandinavas e chinesas. Alguns até são anteriores ao Antigo Testamento.

O curioso, Zimansky diz, é que embora existam relatos escritos do dilúvio em todas estas culturas, os arqueólogos ainda não encontraram evidência disso.

Se você tomar a Bíblia literalmente, Zimansky diz, “esta arca vai ser depositado em um contexto arqueológico que seria uma enchente estrato. E não vai ser um pouco de inundação estrato. Vai cobrir a Terra inteira. Bem, não como inundação estrato existe. “

E é aí que Morris discorda arqueólogos como Zimansky.

“Tudo depende de seu pressuposto”, diz Morris. “Eu acho que eles estão olhando para ele através dos óculos errados.”

Morris diz que um grande dilúvio teria moldar a paisagem de todo o planeta – esculpindo fendas como o Grand Canyon , mesmo separando as imensas massas de terra como os continentes africano e sul-americano.

“Tudo na terra dá evidências do dilúvio”, diz Morris.

É por isso que ele está convencido de que algo está lá em cima no Monte. Ararat. Ele diz que houve relatos de centenas de testemunhas oculares dizendo que viu o que parecia ser um grande navio. Algumas dessas pessoas, diz ele, são pilotos que sobrevoaram a área durante a Segunda Guerra Mundial . Quantidades consideráveis de dados militares e de penetração no solo de imagem têm relatado uma forma de algo feito pelo homem na montanha.

Muitos especialistas têm concluído ao examinar as fotos que as imagens são de formações rochosas que se assemelham fortemente ao barco descrito no Gênesis.

Seja o que for, elas convencem Morris, e inúmeros outros, a voltar para o Monte Ararat, na esperança de encontrar o que sua fé lhes diz que pode ser encontrado.

FONTE (tradução e adaptação livres)